Páginas

quarta-feira, 24 de maio de 2017

A pergunta é direta: você come animais?

A pergunta é direta: você come animais?
Muitas pessoas dizem que amam os animais, seja a vida selvagem, o cão do vizinho, o gato com quem se aconchegam no sofá ou as vacas vistas ao longe na estrada.

Em geral, pessoas gostam de animais pois, de algum modo, esses seres lhes trazem alegria. É por isso que nossas timelines em redes sociais estão cheias de vídeos de gatinhos fofos ou de salvamentos de animais em perigo. E é também por isso que ficamos tão devastados ao ver filmagens secretas da indústria da carne.

Isso quer dizer que, infelizmente, temos crenças e atitudes conflitantes.

É por isso que somos capazes de amar profundamente nossos animais de estimação e, ao mesmo tempo, comer vacas, porcos, galinhas e outros animais.

Mas eis um fato crucial: os animais que criamos e matamos para consumo são tão inteligentes e sensíveis quanto os cães e gatos que temos em casa. Galinhas são capazes de reconhecer mais de 100 aves individuais, vacas formam amizades íntimas e suínos são reconhecidos por terem a inteligência de uma criança de três anos de idade (muito mais inteligentes do que cães, por exemplo).


Em todos os aspectos que mais importam, os animais explorados para consumo são idênticos a cães e gatos. Contudo, nós os tratamos com crueldade inimaginável: confinamento extremo, mutilações brutais e mortes sangrentas e violentas são a norma na indústria. Se tratássemos um cão ou gato da mesma maneira que a indústria da carne, laticínios e ovos trata bilhões dessas criaturas sensíveis, iríamos para a prisão por abuso de animais.

A boa notícia é que ninguém precisa comer produtos de origem animal para viver. Pelo contrário; deixar carne, laticínios e ovos fora do nosso prato é a melhor coisa que podemos fazer pelos animais, por nossa saúde e pelo planeta.

Então, se você diz que ama os animais, é hora de parar de comê-los. Baixe nosso Guia Vegetariano Gratuito e comece hoje a mudança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário