Páginas

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Estudo mapeia potencial da energia solar no Brasil Com informações do Inpe

Estudo mapeia potencial da energia solar no Brasil

Estudo mapeia potencial da energia solar no Brasil
O Atlas também traz informações técnicas para a instalação de equipamentos solares para uso doméstico, como geradores locais de energia elétrica ou aquecedores de água.[Imagem: Divulgação/Governo de São Paulo]
Atlas Brasileiro de Energia Solar
O INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) lançará em julho a segunda edição do Atlas Brasileiro de Energia Solar.
Pouco mais de 10 anos após o lançamento da primeira versão do Atlas, de 2006, a publicação trará informações atualizadas sobre o potencial de geração de energia elétrica a partir da matriz fotovoltaica do país.
Os dados apontam para uma "enorme" capacidade de explorar esse recurso, principalmente no chamado Cinturão Solar, área que se estende do Nordeste até o Pantanal, passando pelo norte de Minas Gerais, sul da Bahia e norte e nordeste de São Paulo.
Nesta nova versão, os dados obtidos por meio de satélites permitiram uma análise mais profunda sobre a real capacidade do país no setor e indica a possibilidade de expansão da produção total e dos meios de geração de energia elétrica solar.
A nova edição utilizou informações levantadas durante 17 anos. Nela, já dados sobre a quantidade e disponibilidade da radiação solar, a variação de potência dos raios, como os fatores climáticos - notadamente a presença de nuvens - influenciam a disponibilidade e a influência da topografia para a incidência dos feixes de luz solar.
Energia solar industrial e doméstica
Segundo o coordenador dos estudos, Ênio Pereira, o Atlas contribuirá para a tomada de decisões estratégicas nas políticas públicas do setor de energia elétrica.
"Para você usar qualquer forma de energia, tem que conhecer a disponibilidade dela. O Atlas fornece a informação sobre a quantidade, a disponibilidade da radiação solar e como ela varia, as questões climáticas que influenciam, a topografia, a variação de disponibilidade. Ele serve para tomada de decisões do governo, para a iniciativa privada definir investimentos e para estudiosos entenderem a disponibilidade de energia solar no Brasil", explicou o físico.
O Atlas também traz informações técnicas para a instalação de equipamentos solares para uso doméstico, como geradores locais de energia elétrica ou aquecedores de água.
Atualmente, a participação da fonte solar na matriz energética brasileira representa apenas 0,02% do total produzido no país. Na avaliação de Ênio Pereira, a capacidade produtiva do Brasil pode crescer com a instalação de novos empreendimentos. "O potencial para gerar energia solar no Brasil é gigantesco, especialmente no Cinturão Solar. Toda essa área tem um potencial enorme de geração, porque tem incidência de muita luz solar e durante um longo período, especialmente entre maio e setembro, que é uma época de seca na maior parte desse território", afirma o físico.

Para produzir o Atlas Brasileiro de Energia Solar, o Inpe contou com a participação de pesquisadores de várias instituições brasileiras, como a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Universidade Tecnológica Federal do Paraná e Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC). Serão produzidas 1.500 cópias do estudo, que serão distribuídas para instituições do setor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário