Páginas

sábado, 15 de julho de 2017

A cínica ONU diz que governo e oposição devem dialogar na Venezuela. Isso é igual afrontar vítimas de estupro. por mrk

 https://lucianoayan.com

A cínica ONU diz que governo e oposição devem dialogar na Venezuela. Isso é igual afrontar vítimas de estupro.

por mrk
Do jeito que as coisas vão, parece que é preciso manter uma distância segura de pessoas que trabalham na ONU. Fica a impressão de que existe um índice mínimo de psicopatia para alguém fazer parte da entidade. É muito desprezo pelo sofrimento humano.
Agora sabemos que o secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Antonio Guterres, emitiu uma narrativa para simular um "pedido urgente" de diálogo entre o governo da Venezuela e a oposição para “erradicar a violência, os abusos, o fanatismo e preservar um caminho constitucional concertado”.
Em comunicado, Guterres também fez uma narrativa para simular que não haveria solução se fosse imposta a partir do exterior: “A saída é o acordo, com eleições, respeito aos direitos fundamentais e respeito aos poderes constitucionais” e esse pacto deve ocorrer “unicamente entre os venezuelanos”, segundo Guterres.
“A comunidade internacional deve apoiar os caminhos pacíficos e de concertação política.”
Para início de conversa, o papo de Guterres é mentiroso, pois defende a narrativa da ditadura, que diz que a violência só ocorre por existir oposição. Mas isso todos os ditadores sempre disseram. Ponto.
Mas o pior é dizer que a solução é "ditadura e oposição" conversarem. Isso é o mesmo que dizer que nos casos de estupro, estuprador e vítima devem dialogar para resolverem seus problemas.
Para início de conversa, existe uma intenção violenta por parte do governo venezuelano. Em segundo lugar, existe o poder de coerção totalitário unicamente do lado da ditadura. Quer dizer: a relação entre a ditadura de Maduro e a oposição tem os mesmos componentes da relação entre um estuprador e sua vítima.
Isso já não se resolve com "dialogo", que nunca funciona quando uma vítima pede: "por favor, não me estupre". Aliás, a tendência é que isso anime o estuprador a ser ainda mais agressivo e carregue com mais intensidade nas humilhações.
Não existe "diálogo" quando um dos lados utiliza coerção para violar toda e qualquer regra de sociabilidade. Exatamente por isso, pedir que as vítimas de uma ditadura dialoguem com os ditadores é uma das maiores afrontas à civilização que podem ser feitas.
A ONU não tem respeito algum pelas vítimas de Maduro. E agora decidiu partir para o escracho.
mrk | 14 de julho de 2017 às 20:25 | Tags: bolivarianismoextrema esquerdamarxismonicolas madurosocialismo | Categorias: Notas | URL: http://wp.me/pUgsw-mcx

Nenhum comentário:

Postar um comentário