Páginas

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

EXÉRCITO SUCATEADO MAS REPLETO DE HERÓIS. DINHEIRO PARA CUBA, VENEZUELA, BOLÍVIA, DITADORES AFRICANOS ETC, TEM MAS PARA NOSSAS GLORIOSAS FORÇAS ARMADAS NÃO, LULA DEVOLVA O QUE FOI ROUBADO PARA SUPRIR NOSSAS FORÇAS ARMADAS.

OCC - Organização de Combate à Corrupção
Soldados que defendem fronteiras da Amazônia vivem na 'idade da pedra'
G1 visitou seis das 24 bases do Exército na divisa da selva com 5 países. Vigilância militar é diária para reprimir crimes e tráfico de armas e drogas.
Tahiane Stochero Do G1, em Amazonas e Roraima
Vinte minutos para abrir uma página na internet. Racionamento de energia elétrica, provida por até 16 horas diárias por um gerador. Sinal de celular, nem pensar. Telefonia fixa? Apenas um orelhão. Água da chuva para beber e água do rio para tomar banho, lavar roupa e louça. Abastecimento de comida e remédio a cada 30 ou 45 dias, dependendo da disponibilidade de um avião.
Esta é a realidade dos militares que vivem em bases isoladas nas fronteiras para defender a Amazônia. São 24 pelotões especiais de fronteira (PEF), com efetivo entre 20 e 80 soldados cada um. Eles começaram a ser criados em 1921 nas divisas do Brasil com Bolívia, Peru, Colômbia, Venezuela e Guiana para reprimir narcotráfico, contrabando de armas, biopirataria, exploração ilegal de madeira e minérios, além de impedir invasões estrangeiras.
"Grande parte da Amazônia ainda vive como se estivesse na idade da pedra, pois o poder público não está presente. Quem visita estas unidades volta com um sentimento de indignação", diz o general Guilherme Theophilo de Oliveira, responsável pela logística nos estados de Rondônia, Acre, Amazonas e Roraima. "Eu não admito hoje, no século XXI, que um pelotão sobreviva da caça e da pesca, como os índios viviam", afirma.
O G1 visitou seis pelotões, alguns localizados nas tríplices fronteiras, onde os militares vivem em condições piores do que as enfrentadas pelos colegas que vão para a missão de paz no Haiti. Em 2012, em uma série de reportagens sobre a situação de sucateamento do Exército, o G1 mostrou que o país possui munição para se defender por apenas uma hora de guerra e que a Amazônia é preocupação número 1 dos militares.
"Na Amazônia, a logística é uma dificuldade natural, pois os meios de transporte são precários. Não há rodovias e o sistema hidroviário não é equipado para usarmos. Além disso, em grande parte do ano, os rios não são navegáveis. Mas essas dificuldades não nos atrapalham na defesa das fronteiras", garante o comandante da Amazônia, General Eduardo Villas Boas.
fonte: averdadesufocada
kureberu
Curta e Faça parte da OCC Alerta Brasil

LULA DESMASCARADO NO JORNAL DA CULTURA - 14 12 2012

Fraude na Mega Sena - Um único ganhador levou mais de 500 prêmios

O SOL EM FOTO DA NASA.

Nasa publica nova foto do Sol feita por satélite

Foto mostra atividade relativamente fraca do Sol no momento.
Instrumento que registrou a imagem estuda camada mais externa do Sol.

Do G1, em São Paulo
31 comentários
Imagem do Sol feita nesta terça (31) pelo satélite SDO, da Nasa (Foto: Nasa/SDO)Imagem do Sol feita nesta terça (31) pelo satélite SDO, da Nasa (Foto: Nasa/SDO)
Nasa divulgou nesta terça-feira (31) uma imagem do Sol feita pelo Observatório de Dinâmica Solar (SDO, na sigla em inglês), um satélite que fica na órbita da Terra. A foto foi feita com um instrumento chamado AIA, cuja função é estudar a coroa solar, a camada mais externa do Sol, onde ocorrem as erupções solares.
Apesar das tempestades solares visíveis na imagem, a atividade do Sol no momento não é tão forte, se comparada com a de outros períodos. A última grande ejeção de material ocorreu no dia 19 de novembro.
tópicos:G1

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

João Dias - Fim de Ano (1964)

A ILHA DA FANTASIA PETRALHA.

Dilma faz autoelogio na TV sobre 'ilha da fantasia', diz Aécio

DE BRASÍLIA
Ouvir o texto
Atualizado às 13h10.
O senador Aécio Neves (MG), pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, criticou nesta segunda-feira o pronunciamento de fim de ano da presidente Dilma Rousseff, em rede nacional de rádio e TV.
Para Aécio, Dilma omitiu problemas e fez "autoelogio". Segundo o senador, que também é presidente do PSDB, Dilma apresentou "uma ilha da fantasia" na TV.
"Sob o pretexto das festas de fim de ano, a presidente volta à TV para fazer autoelogio e campanha eleitoral. Apenas como exemplo, na ilha da fantasia a que a presidente nos levou mais uma vez, a qualidade do ensino tem melhorado e a criação de creches é comemorada", disse Aécio Neves, em nota à imprensa.
Para o tucano, os números do "Brasil real" são outros: "o analfabetismo parou de cair e, das 6 mil creches prometidas por ela em 2010, apenas 120 haviam sido entregues até outubro".
O senador disse, ainda, que a presidente foi omissa em relação aos problemas do país. "Nenhuma palavra sobre as famílias vítimas das chuvas e as obras prometidas e não realizadas. Nenhuma menção à situação das empresas públicas, à inflação acima do centro da meta, ao pífio crescimento da economia. Nenhuma menção à situação das estradas, à crise da segurança e à epidemia do crack que estraçalha vidas", disse Aécio.
O presidente do PSDB conclui a nota afirmando que Dilma aposta no "ilusionismo". "Essa nova e abusiva convocação de rede de rádio e televisão é mais uma demonstração da falta de limites de um governo que acredita que a propaganda e o ilusionismo podem demonstrar força, enquanto, na verdade, só acentuam a sua fraqueza", disse.

Aécio Neves

 Ver em tamanho maior »
Pedro Ladeira/Folhapress
AnteriorPróxima
O senador Aécio Neves (MG) apresenta na Câmara dos Deputados documento com as bases da nova agenda de propostas do PSDB
DISCURSO
No último pronunciamento em rede nacional do ano, a presidente Dilma Rousseff afirmou na noite do domingo que a área econômica de seu governo é vítima de "guerra psicológica" por parte de setores do empresariado, ainda que admita haver o que "retocar" e "corrigir" na economia.
A fala, de 12 minutos, ignorou o principal fato político do ano, as manifestações de rua de junho que derrubaram abruptamente a popularidade do governo. Citou superficialmente que "ouviu reclamos" da sociedade e que está "implantando pactos para acelerar o cumprimento de nossos compromissos".
Dilma enalteceu programas federais e pediu aos telespectadores que pensassem "no que aconteceu de positivo nos últimos anos na vida do Brasil".
Mas boa parte do discurso, o 17º do seu mandato, foi dedicada a promover uma visão otimista da economia, principal área a sofrer críticas em sua gestão.
Apesar de ter deixado claro que o pessimismo não pode contaminar a economia e que está atuando "nos gastos" e no combate inflacionário, Dilma ponderou que "não existe um sistema econômico perfeito" nem um "país com uma economia perfeita".
"Em toda economia haverá algo por fazer, algo a retocar, algo a corrigir", disse ela, que previu um 2014 melhor para o bolso dos brasileiros.
Citando "redução de impostos" e "diminuição da conta de luz", a presidente disse que tem recebido "duras críticas daqueles que não se preocupam com o bolso da população". "Se mergulharmos em pessimismo e ficarmos presos a disputas e interesses mesquinhos, teremos um país menor", afirmou, em outro momento.
Também sem citar o mensalão, cujos protagonistas da antiga cúpula do PT no governo Lula foram presos em 2014, Dilma afirmou que não abriu mão em apoiar o combate à corrupção.
Como de praxe neste tipo de balanço, Dilma listou o que considera sucesso em sua gestão, e que estará em sua propaganda na campanha à reeleição em 2014: Mais Médicos, Ciência sem Fronteiras, Pronatec (programa de formação profissional), Minha Casa, Minha Vida e o Brasil sem Miséria.
"Nos últimos anos somos um dos raros países do mundo em que o nível de vida da população não recuou ou se espatifou em meio a uma grave crise. Chegamos até aqui melhorando de vida, pouco a pouco, mas sempre de maneira firme e segura", disse.
O pronunciamento deste domingo foi o sétimo do ano e o 17º desde 2011. Ela já superou os números do antecessor, que fez 11 no primeiro mandato (2003-2006) e 10 no segundo (2007-2010).
Leia, abaixo, a íntegra da nota de Aécio.
*
Declaração do senador Aécio Neves sobre pronunciamento da presidente da República em cadeia de rádio e TV
Sob o pretexto das festas de fim de ano, a presidente volta à TV para fazer autoelogio e campanha eleitoral.
Lamentavelmente, a oposição não pode pedir direito de resposta.
Nenhuma palavra sobre as famílias vítimas das chuvas e as obras prometidas e não realizadas. Nenhuma menção à situação das empresas públicas, à inflação acima do centro da meta, ao pífio crescimento da economia. Nenhuma menção à situação das estradas, à crise da segurança e à epidemia do crack que estraçalha vidas.
Apenas como exemplo, na ilha da fantasia a que a presidente nos levou mais uma vez, a qualidade do ensino tem melhorado e a criação de creches é comemorada.
Enquanto isso, no Brasil real, os resultados dos testes internacionais demonstram o contrário: o analfabetismo parou de cair e, das 6 mil creches prometidas por ela em 2010, apenas 120 haviam sido entregues até outubro.
Essa nova e abusiva convocação de rede de rádio e televisão é mais uma demonstração da falta de limites de um governo que acredita que a propaganda e o ilusionismo podem demonstrar força, enquanto, na verdade, só acentuam a sua fraqueza.
Senador Aécio Neves
LEIA MAIS NO JORNAL A FOLHA DE SÃO PAULO.

O NÚMERO 1 DA FÓRMULA 1.

FORÇA SCHUMACHER, ESSA CORRIDA VOCÊ TAMBÉM VENCERÁ !

DILMA FAZ PROPAGANDA ELEITORAL FORA DE ÉPOCA E COM NOSSO DINHEIRO.

Cada aparição de Dilma em rede nacional custa R$ 90 mil

Valor se refere à produção e edição de material que vai ao ar; até o momento, governo Dilma já gastou mais de R$ 1 milhão

30 de dezembro de 2013 | 2h 03

Rafael Moraes Moura - O Estado de S.Paulo
BRASÍLIA - A estratégia da presidente Dilma Rousseff de aparecer cada vez mais em pronunciamentos em rede nacional de rádio e televisão custou até agora R$ 1,2 milhão aos cofres públicos desde o primeiro ano de seu mandato, em 2011. Cada vez que a presidente vai à TV, o Palácio do Planalto desembolsa R$ 90 mil com produção, gravação, edição, computação gráfica, trilha, locução, equipe e equipamentos.
Ontem Dilma fez seu 17.º pronunciamento desde que tomou posse. Trata-se de uma média que supera cinco aparições por ano. Seus antecessores, Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso, registraram uma média inferior a três pronunciamentos de TV anuais.
Nas aparições de 2013, além da que foi ao ar ontem, Dilma divulgou medidas de impacto de seu governo, como a redução da tarifa de energia (23 de janeiro), a desoneração da cesta básica (8 de março) e a promessa de destinar dinheiro do pré-sal para a educação (1.º de maio). Foi à TV também para dar uma resposta às manifestações (21 de junho), para exaltar a criação do programa Mais Médicos (6 de setembro) e para comemorar a conclusão do primeiro leilão do pré-sal (21 de outubro).
O pronunciamento de 21 de junho, em meio às manifestações, foi o mais atípico. A aparição foi organizada às pressas e não contou com a superprodução de R$ 90 mil. Naquela oportunidade, quem produziu tudo foi a EBC/NBR, estatal de comunicação, "pois não havia tempo hábil para a mobilização de uma das agências contratadas", segundo a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República. Em condições normais, é a secretaria que fica responsável por contratar uma agência para a produção dos pronunciamentos da presidente.
O senador Aécio Neves (MG), provável candidato tucano à Presidência, é crítico da estratégia de Dilma. Ele acusa a presidente de contrariar a legislação em vigor e apropriar-se "indevidamente" da rede para fins eleitorais. Para a Secretaria de Comunicação, porém, a presidente vale-se da prerrogativa dos pronunciamentos "quando há necessidade de comunicar fatos relevantes de interesse nacional".
Decreto de 1979 prevê que as emissoras de radiodifusão poderão ser convocadas para transmitir gratuitamente pronunciamentos do presidente da República e dos presidentes da Câmara dos Deputados, do Senado Federal e do Supremo Tribunal Federal, quando o objetivo for a "divulgação de assuntos de relevante importância".
Reajuste. Em dezembro de 2012, o valor gasto pelo governo para produzir um pronunciamento passou de R$ 58 mil para os atuais R$ 90 mil - cerca de 56% de aumento. A Secretaria de Comunicação diz que houve "atualização de valores", "uma vez que os preços até então praticados remontavam ao ano de 2008". A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2008 a 2012 foi de 32%.
Agências. Os pronunciamentos deste ano - à exceção do veiculado em junho em reação aos protestos - foram feitos pelas agências de publicidade Propeg e Leo Burnett. A escolha pelas agências contratadas para a produção dos pronunciamentos obedece a "normativos e dispositivos legais, que determinam a seleção da agência que possua melhores condições para atender à demanda naquele momento, familiaridade com o tema e reaproveitamento de linha criativa", informa a secretaria.
Neste final de 2013, os presidentes da Câmara e do Senado também recorreram à rede nacional para discursar à Nação. / COLABORARAM CÉLIA FROUFE e MURILO RODRIGUES ALVES
LEIA MAIS NO JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO.

GREENPEACE



Olá ,
Difícil escolher outra forma para começar este e-mail que não agradecendo a você por ter nos acompanhado durante todos os meses desse ano. 2013 nos brindou com momentos gélidos, mas outros solares. E nós dedicamos todo nosso trabalho a você, ciberativista, que tornou isso possível.
Aqui, o muito obrigado de toda a equipe do Greenpeace Brasil!
Alinhados às manifestações de junho, que colocou milhões de brasileiros de todos os cantos do país num só coro, nós também colocamos nosso bloco na rua para lembrar as autoridades a que viemos. Da Amazônia ao Ártico, do asfalto quente da capital paulista às ladeiras estreitas de Vila Isabel, no Rio, levamos a mensagem de que a receita para se construir um futuro mais justo, verde e limpo.
Cheio de altos e baixos, o ano trouxe um novo salto do desmatamento no Brasil, mas coroou a conquista da sociedade nas ruascom a baixa no preço do transporte público. Não assistimos calados a mais demonstrações de grandes retrocessos por parte do governo. Protestamos ao ver o carvão retornar aos leilões de energia. E comemoramos a inesperada virada de mesa das energias renováveis, como a solar e eólica, que se tornaram o grande trunfo dos consórcios geradores.
Vimos o ativismo pacífico ser criminalizado e taxado de pirataria e vandalismo. Seria cômico se não fosse trágico. Não ficamos calados ao ver nossos 28 ativistas e dois jornalistas, incluindo a brasileira Ana Paula Maciel, presos nas frias selas da Rússia. Mas foi com o seu apoio e o de milhares de pessoas ao redor do mundo, que eles conquistaram liberdade provisória e, em seguida, a anistia por crimes que não cometeram.
Devemos tudo a vocês! E desejamos um ano novo de muita paz e novas conquistas. Que 2014 venha renovar ainda mais nossas energias e a força de nossa luta. Contamos com você para seguir conosco!

Abraços,
Fernando Rossetti
Diretor-Executivo
Greenpeace Brasil

domingo, 29 de dezembro de 2013

O PT É UM PARTIDO DE NARCOTRAFICANTES

FRAUDE NO BOLSA FAMÍLIA.

Fraude no Bolsa Família beneficia estrangeiros e até mortos no RS

Golpistas usam endereços falsos para se cadastrar em Barra do Quaraí.
Servidores públicos e estagiários da prefeitura também são contemplados.

Fábio Almeida e Giancarlo BarziDa RBS TV
62 comentários
Uma fraude envolvendo o Bolsa Família, do governo federal, está beneficiando estrangeiros, funcionários públicos e até mesmo pessoas que já morreram no Rio Grande do Sul. No município de Barra do Quaraí, na fronteira com o Uruguai, golpistas usam endereços falsos para se cadastrar no programa, inclusive terrenos onde existem apenas antenas de telefone e caixas d`água, como mostra a reportagem do Teledomingo (veja o vídeo ao lado).
Pelo menos 367 famílias do município de cerca de quatro mil habitantes recebem o auxílio do Bolsa Família, criado exclusivamente para contemplar pessoas de baixa renda. Pedro Daniel Idiarte é um dos beneficiados. Saques feitos no nome dele este ano constam no Portal da Transparência. No entanto, Idiarte reside em Bella Unión, cidade vizinha, no Uruguai. Em um diálogo gravado com uma microcâmera, ele forneceu seu endereço correto.
Golpistas usam endereço falso para cadastro no Bolsa Família (Foto: Reprodução/RBS TV)Golpistas usam endereço falso para cadastro no
Bolsa Família (Foto: Reprodução/RBS TV)
Outras seis pessoas que dizem morar em Barra do Quaraí foram localizadas em Bella Unión. Entre elas está Adalberto, que registrou como residência um terreno baldio. Uma outra casa, que pertence ao pedreiro André Ferreira, é a campeã no ranking dos endereços falsos. Mais de 30 pessoas afirmam morar no local. O verdadeiro proprietário, no entanto, se espanta com o esquema. "A casa está abandonada. Não tem nenhum morador aqui. Agora que estou arrumando para morar", conta Ferreira.
Três pessoas aparecem como moradores em um terreno onde existe apenas uma caixa d`água. Conforme documentos fornecidos pelo Ministério Público, outras quatro dizem morar em um local onde há apenas uma antena de telefone. "Não tenho conhecimento nenhum que tenha alguém morando nesse local. Nunca morou ninguém", afirma o aposentado Arlindo Simionato.
No cemitério de Barra do Quaraí, outra fraude desvendada. Saques em nome de Márcia Ortiz Dedéco, falecida em março de 2010, foram realizados até janeiro deste ano, de acordo com o Portal da Transparência. A irmã de Márcia, Cláudia Ortiz Dedéco, trabalha desde 2004 na Secretaria de Assistência Social do município, onde são feitos os cadastros para receber o Bolsa Família. Ela seria uma das responsáveis pelo programa na cidade, mas não soube explicar por que os valores continuaram sendo pagos à irmã. Cláudia não quis gravar entrevista.
Na lista do Bolsa Família no município também estão 29 funcionários da prefeitura. Estagiários, auxiliares administrativos e até pessoas com cargos de chefia fazem parte da relação. É o caso de Eliane Senoranes, que aparece em documentos oficiais como chefe da seção. "Sou eu que recebo, eu mesmo. Quando me inscrevi, não trabalhava, era desempregada e permaneci", justificou a colaboradora.
A fraude está ocorrendo, trazendo prejuízo a brasileiros que necessitam do benefício, que não têm como sobreviver"
Delegado André Luiz Epifânio
O vice-prefeito da cidade, Danilo Rodrigues (PT), não vê problema em contemplar funcionários públicos. "O cidadão pode estar trabalhando na prefeitura ou numa empresa particular, mas a renda pode ser divida pelo número de pessoas que residem no domicílio. Se for inferior a R$ 140, a pessoa tem direito ao benefício do Bolsa Família", argumenta Rodrigues.
Porém, Eliane recebe um salário de R$ 787,79, tem uma filha e mora com os pais, donos de um armazém. Mesmo que ninguém mais trabalhasse na família, e todos dependessem dela, ainda assim a situação não se encaixaria nas regras do programa.
O vice-prefeito também foi secretário de Assistência Social de Barra do Quaraí e gestor do Bolsa Família até o ano passado. Ele se mostrou surpreso e disse não saber nada sobre as suspeitas sobre estrangeiros recebendo auxílio. "Uruguaios recebendo eu desconheço", afirmou. O prefeito Iad Sholi (PSB) estava em uma viagem oficial ao Uruguai, conforme informou a prefeitura.
O esquema já está sendo investigado pelo Ministério Público e pela Polícia Federal. Para ambos, os problemas no município gaúcho estão diretamente ligados a fraudes eleitorais. "Uruguaios ganham Bolsa Família, ganham aposentadoria e, em troca, se inscrevem como eleitores. Na próxima eleição, dão o voto a quem presta esse favor", defende o promotor Rodrigo de Oliveira Vieira.
A Polícia Federal quer descobrir quanto dinheiro público foi gasto com pessoas que não poderiam ser contempladas. "O que fica identificado é que a fraude está ocorrendo, comprovadamente, trazendo prejuízo a brasileiros que efetivamente necessitam do benefício, que não têm como sobreviver", ressalta o delegado André Luiz Epifânio.
O programa Bolsa Família completou dez anos em outubro. Desde 2003, quando foi criado pelo então presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, o número de beneficiados passou de um milhão para 14 milhões.
G1

XÔ CORRUPÇÃO !


"Vocês têm que entender: há um problema estrutural permanente, que é o seguinte: vocês já notaram que, quanto mais cresce a hegemonia cultural esquerdista, mais cresce a corrupção, mais cresce a violência, mais cresce a imoralidade geral? Isso está acontecendo faz 30 anos e vocês não chegaram ainda à conclusão, porra!? Estudem um pouco, e vocês vão ver o seguinte: que é uma tradição dos partidos revolucionários de esquerda utilizar-se do direito burguês como instrumento para chegar ao poder, para em seguida não só destruir esse direito burguês, mas destruir todo e qualquer direito.
Porque a ideia mesma de direito é incompatível com o marxismo. O direito, no entender do marxismo, é a vontade da elite revolucionária, que encarna o espírito da história. Então é a abolição de todo e qualquer direito e sua substituição pelo 'poder onipresente e invisível' do partido, como dizia Antonio Gramsci.
É isso que eles estão fazendo, minha gente. Mas vocês não conseguem ver relação nenhuma?
Então aqui tem uma professora que escandalizou um aluno de dez anos com um dicionário sobre posições sexuais. Então todo mundo diz: 'Oh! Que coisa!' Mas você não vê nenhuma relação entre isso e o mensalão não? Você não percebe que é a mesma coisa? Que é corromper a sociedade como um todo, em todos os seus níveis? E que este tem sido o projeto da esquerda há 30 anos? Que trinta! Quarenta! Leiam Herbert Marcuse. Leia o material da Escola de Frankfurt e vocês vão entender tudo aquilo que está acontecendo."
Olavo de Carvalho