Páginas

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

VOCÊS AINDA PERDE TEMPO VOTANDO EM QUEM NÃO MERECE SER VOTADO?


31/10/2012 18h25 - Atualizado em 31/10/2012 18h25

Salário de vereadores de SP pode subir para R$ 15 mil em 2013

Aumento foi questionado na Justiça e liminar suspendeu parte de resolução.
Em maio, desembargador disse que liminar dele não suspendeu aumento.

Roney DomingosDo G1 São Paulo
16 comentários
A partir de janeiro de 2013, o salário dos 55 vereadores de São Paulo passará dos atuais R$ 9,2 mil mensais para R$ 15.031,76, caso seja mantida a decisão judicial, de maio de 2012, que garantiu a eles o reajuste. No ano passado, o Ministério Público Estadual propôs ação direta de inconstitucionalidade contra a resolução 6/2011 que elevava os contracheques dos parlamentares e a Justiça deu liminar suspendendo o benefício.
Porém, em maio deste ano, o desembargador relator da ação, Ênio Santarelli Zuliani, esclareceu que a liminar suspendeu todos os artigos da resolução, menos o 1º, justamente o que concedeu aumento para os parlamentares.
Diante da decisão, permaneceram suspensos apenas o artigo 2º da resolução, que trata da concessão de 13º para os vereadores, o artigo 3º, que reajusta os salários automaticamente no mês de março pelo índice que incide sobre salário do funcionalismo; o artigo 4º, que aplica 22,67% sobre os salários vigentes em 2007, levando os valores para R$ 11 mil em 2011 e 2012; e o artigo 5%, que prevê manutenção do valor do salário mesmo que não haja edição de nova norma a respeito.
A resolução aprovada em novembro de 2011 buscava solucionar o impasse em torno do salários dos vereadores, que tiveram os salários reajustados exatamente para os R$ 15.031,76 em fevereiro do mesmo ano, mas decidiram abrir mão do reajuste depois que o procurador-geral de Justiça, Fernando Grella Vieira, entrou na Justiça para contestar uma resolução aprovada pela Câmara em 1992 que fixava os salários dos vereadores em 75% do salário dos deputados estaduais.
Desde então, parte dos salários é depositada em conta corrente até o julgamento final da Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin). Na prática, portanto, o vereadores ficaram com salário de R$ 9,2 mil mensais.
A correção sobre o salário reajustado em março se deve ao questionamento apresentado pelo Ministério Público do Estado de São Paulo a uma resolução de 1992 (resolução 5, de 24 de agosto de 1992), que atrelava o salário dos vereadores automaticamente a 75% do salário dos deputados estaduais. O então procurador-geral de Justiça, Fernando Grella Vieira, propôs ação direta de inconstitucionalidade contra a medida em fevereiro de 2011.
Segundo a justificativa dos vereadores, se fosse aplicada a resolução 5/1992, os salários teriam reajuste aproximado de 61,84%. A resolução 5/1992 afirma que o valor da remuneração dos vereadores "corresponderá a 75% da remuneração estabelecida, em espécie, para os deputados estaduais, produzindo efeitos a partir de 1º janeiro de 1993".
Os vereadores decidiram destinar os vencimentos oriundos de reajuste a uma conta em separado até a decisão final da Justiça sobre o questionamento.
O Ministério Público Estadual argumentou na época que a ação tem base em precedentes abertos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). Vieira disse na ação que a vinculação é proibida pelo artigo 115, XV, da Constituição Estadual, porque "o artigo 29 da Constituição Federal não expressa subordinação ou dependência, senão limite máximo de remuneração”.
Ele acrescentou que a vinculação prevista pela resolução de 1992 “implica reajuste automático desconsiderando a própria autonomia municipal e a diversidade do regime jurídico da remuneração dos agentes políticos municipais detentores de mandato eletivo”. O procurador também argumentou que a resolução viola o princípio da moralidade administrativa.
Também em fevereiro de 2011, vereadores de São Paulo foram condenados a devolver parte do salário que receberam entre os anos de 1993 e 1994 porque os pagamentos estavam acima do que permite a lei. Na época, segundo a Câmara, não foi descontado o imposto e o valor dos pagamentos ultrapassou o teto.
Para ler mais notícias do G1 São Paulo, clique em g1.globo.com/sp. Siga também o G1 São Paulo no Twitter e por RSS.
 G1

SÓ NO BRASIL.


TRF4 suspende liminar que proibia ministros de receber de estatais

Segundo desembargador, STF já julgou ação sobre teto constitucional. 
Liminar havia sido concedida por juiz federal de Passo Fundo, RS.

Do G1 RS
2 comentários
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), com sede em Porto Alegre, suspendeu nesta quarta-feira (31) a liminar que determinava a 13 organizações estatais e à empresa binacional Alcântara Cyclone Space que deixassem de pagar 11 ministros pela participação em seus conselhos.
A liminar havia sido foi concedida no último dia 25 pelo juiz titular da 2ª Vara Federal de Passo Fundo, Nórton Luís Benites, a pedido de um advogado local, que ingressou com ação popular contra a União. Conforme a ação, os ministros estariam recebendo remuneração superior ao teto constitucional de R$ 26,7 mil pela acumulação indevida do cargo de integrante de conselhos de organizações estatais, como empresas públicas ou sociedades de economia mista.
A suspensão foi dada em caráter liminar pelo desembargador federal Luiz Alberto d’Azevedo Aurvalle, em recurso interposto pela Advocacia-Geral da União (AGU) e deve vigorar até o julgamento do mérito pela 4ª Turma do TRF4. Segundo Aurvalle, não está presente um dos requisitos da concessão de medida liminar, que é a verossimilhança do direito.
O desembargador afirmou ainda que já houve ação idêntica julgada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que concluiu que a participação em conselhos de administração e fiscal de empresas públicas e sociedades de economia mista e o exercício de cargo em comissão ou função gratificada no governo federal não se configura acumulação de cargos públicos.
“(...) O fato de já haver manifestação específica sobre a matéria na sede da própria jurisdição constitucional é suficiente para, pelo menos, afastar a verossimilhança encontrada em primeira instância”, diz trecho da decisão.
A liminar atingia os ministros Celso Amorim (Defesa), Fernando Pimentel (Desenvolvimento), Guido Mantega (Fazenda), Marco Antonio Raupp (Ciência e Tecnologia), Mirian Belchior (Planejamento), Paulo Bernardo (Comunicações), Paulo Sérgio Passos (Transportes) e Tereza Campello (Desenvolvimento Social), além da secretária de Comunicação Social, Helena Chagas; o secretário da Aviação Civil, Wagner Bittencourt; e o advogado-geral da União, Luiz Inácio Adams, que têm status de ministros.
Para ler mais notícias do G1 Rio Grande do Sul, clique em g1.com.br/rs. Siga também o G1 RS no Twitter e por RSS.
G1

SE GRITAR PEGA LADRÃO, ETC, ETC, ETC...


'Se quiserem me cassar, cassem', diz senador após chamar colegas de ladrões

PUBLICIDADE
GABRIELA GUERREIRO
DE BRASÍLIA
Depois de chamar os senadores de "ladrões" e "corruptos", o senador Mário Couto (PSDB-PA) voltou nesta quarta-feira (31) à tribuna do Senado para desafiar os colegas a cassarem o seu mandato.
Cobrado por um grupo de senadores a divulgar os nomes de quem são os "ladrões" na Casa, Couto se recusou a apontar quem seriam os parlamentares que enriqueceram de forma ilícita.
"Dizer nome, nem preciso. Não citei nomes pelas regras do regimento interno, não por covardia. Se quiserem me cassar, cassem. Isso é coerência de um senador que quer limpar essa Casa. Não me permito conviver aqui com senadores que sei que a desigualdade econômica é muito alta em relação a outros que vivem com dificuldade, como eu", afirmou.
Couto fez discurso depois que os senadores Eduardo Suplicy (PT-SP), Ana Amélia Lemos (PP-RS) e Pedro Taques (PDT-MT) pediram no plenário para o tucano listar quem seriam os "ladrões".
"A imunidade parlamentar pressupõe responsabilidade. Nós já sofremos muito nessa Casa. Sangramos esse ano com a cassação de mandato de um colega, e eu penso que enxovalhar generalizadamente a Casa e a instituição não é um bom serviço", disse Ana Amélia.
O tucano prometeu encaminhar ofício ao STF (Supremo Tribunal Federal) com pedido para a corte "desengavetar" processos contra deputados e senadores. Couto disse que as "baratas do STF vão roer folha por folha dos processos" porque estão há anos parados para análise do tribunal.
"Julguem com bastante rapidez esses processos que há mais de três, cinco anos, se encontram lá. Essa é a grande hora de aproveitarmos", disse.
Couto chegou a trocar farpas com a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM), que presidia a sessão. Ao ser citado por Ana Amélia, pediu a palavra e bateu boca com a senadora amazonense até conseguir falar --já que Vanessa ocupava a presidência do Senado no momento dos discursos.
Couto foi eleito em 2006 para o Senado, quando declarou à Justiça Eleitoral patrimônio de 598,8 mil. Apesar das críticas aos colegas, ele é alvo de inquérito no STF por suspeita de crime eleitoral.
Segundo o site Transparência Brasil, ele também é alvo de ações civis públicas para ressarcimento de danos ao erário e por improbidade administrativa.
LADRÕES
Em discurso ontem no plenário, o tucano disse que tem vontade de "cuspir na cara" de alguns senadores que enriqueceram "sem nunca terem sido nada na vida".
"Tem homem que dá vontade de cuspir na cara, porque eu sei que está aqui a penas duras do povo, que estão ricos porque roubaram a nação, o povo. Aproveitem, ministros do Supremo, limpem o Congresso Nacional. Vejam o patrimônio de cada senador. Não engavetem os processos desses ladrões que estão aqui", afirmou.
Sem citar nomes, Couto disse que há senadores que têm jatos particulares, casas luxuosas e "50 mil bois no pasto" sem condições de comprovar o seu patrimônio. "Eles estão livres, andando dentro do parlamento, fazendo projetos perto de todos os outros senadores", disse.
Grazziotin e a senadora Lídice da Mata (PSB-BA) pediram que a Mesa Diretora do Senado tome providências contra o senador.
A FOLHA DE SÃO PAULO

A VERGONHA DE SER BRASILEIRO.


Governistas enterram CPI do Cachoeira e oposição fala em pizza

PUBLICIDADE
ANDREZA MATAIS
DE BRASÍLIA
A base governista na CPI do Cachoeira no Congresso impediu, nesta quarta-feira, a votação de novas quebras de sigilo bancário, fiscal e telefônico ou pedidos de convocação e apresentou requerimento para prorrogar os trabalhos por 45 dias.
Andre Borges/Folhapress
Membros da CPI do Cachoeira votam sobre o tempo de prorrogação dos trabalhos da comissão
Parlamentares membros da CPI do Cachoeira votam sobre o tempo de prorrogação dos trabalhos da comissão
Neste período, a CPI só irá discutir o relatório final do deputado Odair Cunha (PT-MG), sem aprovar novos pedidos de informação ou de oitiva. Cunha irá apresentar seu texto no dia 20 de novembro.
A oposição já admite que não tem como conseguir o apoio de 171 deputados e 27 senadores para prorrogar a CPI por mais 180 dias, o que possibilitaria avançar nas investigações. "É muito difícil chegar", afirmou o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS).
Na hipótese remota de reunir o apoio necessário, a oposição levaria vantagem, pois neste caso a regra é a comissão considerar o requerimento com o maior prazo de prorrogação. Ou seja, o requerimento dos governistas pedindo prorrogação por 45 dias seria desconsiderado. Mesmo assim, como os governistas tem maioria, cabe a eles definir a pauta. Desta forma, o relatório final poderia ser colocado em votação a qualquer tempo.
BATE-BOCA
O movimento dos governistas, liderados por PT e PMDB, de não votar os mais de 500 requerimentos que estão na pauta na reunião desta quarta provocou um debate na comissão.
"Estamos determinando o fim da CPI sem investigar esse monumental esquema de corrupção. O relatório final será uma pizza gigante", afirmou o líder do PSDB, senador Alvaro Dias (PR).
"Penso que tem que haver limite entre o tratoraço e o que está sendo feito aqui", disse o deputado Onix Lorenzoni (DEM-RS).
"Estamos jogando o lixo para debaixo do tapete e o lixo está fedendo", disse o senador Pedro Taques (PDT-MT).
A oposição insiste em investigar empresas fantasmas ligadas a empreiteira Delta, que poderiam revelar um braço do esquema Cachoeira em São Paulo, envolvendo outras empreiteiras.
Os oposicionistas também defendem investigar as relações do governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral (PMDB), com o empresário Fernando Cavendish, da Delta. "Ele não foi citado por Cachoeira uma única vez", defendeu o Leonardo Picciani (PMDB-RJ).
"Não vamos investigar porque ele é o principal governador do PMDB?", reagiu o líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR). A oposição quer ouvir, ainda, o tesoureiro da campanha de Dima Rousseff, o deputado José de Filipi (PT-SP). Em seu depoimento, o ex-presidente do Dnit Luiz Pagot disse à CPI que foi procurado por Filipi na época da campanha com pedido para que listasse empresas que poderiam doar para a campanha de Dilma e que tinham contratos com o órgão responsável por investir nas estradas. Pagot disse à CPI que o pedido foi "aético".
A FOLHA DE SÃO PAULO

BRASIL DO PT, A VERGONHA.

Repassando: Exílio à vista

JOSÉ DIRCEU , JOSÉ GENUÍNO, DELÚBIO SOARES,JOÃO PAULO CUNHA, ESTÃO COM
 EXÍLIO CONCEDIDO NA VENEZUELA.O EMBAIXADOR DA VENEZUELA JÁ ESTA PRONTO
 EXECUTAR A ORDEM DE HUGO CHÁVEZ.
 
Se for verdade, isso é uma vergonha,ainda mais para JUSTIÇA
 brasileira.
ESTÁ CHEIRANDO O "DEDO PERDIDO" DE LULA!!!! 
AS PENAS NÃO SÃO DE CUNHO POLÍTICO, MAS DE CRIMES, PREVISTOS NO CÓDIGO PENAL.

A verdade é esta!!!
A DERROTA FOI DO PAÍS
A quantidade de bolsas-família que devem ser distribuídas em São Paulo, a ingenuidade e inocência de um povo que migrou-se de estados onde são mínimas as possibilidades de trabalho e obrigou-se a tirar o título de eleitor em São Paulo, somados à incompetência tucana de fazer oposição, administrar a campanha Serra e ao discurso meloso deste que nunca muda a toada, deram ao PT um fôlego providencial num momento inadequado ao País, que associada à essa vitória de um ex-fracassado ministro da educação, que nunca soube administrar o Enem e pai do kit gay escolar, pode gerar muitos males, entre eles estimular o encorajamento da presidência da Republica aplicar o Artigo 84 – Inciso XII ao final do julgamento do mensalão.

Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República:
XII - conceder indulto e comutar penas, com audiência, se necessário, dos órgãos instituídos em lei;

ANIMAIS, OS VERDADEIROS ANJOS NA TERRA.


LINDO!!!!
  SÓ PRA QUEM ALCANÇA
   Byron, o labrador

Kate Cross sofre de uma rara doença chamada Síndrome de Ehlers-Danlos.

Isso faz com que as suas juntas fiquem tão fracas que até mesmo o ato de abrir uma porta pode deslocar seu ombro, cotovelo ou punho.

Realizar qualquer tarefa do dia a dia seria impossível para ela…



Até que ela conheceu Byron, um labrador.
 Ela não saia de casa sozinha por anos até receber a ajuda de Byron em 2007. Agora seu companheiro fiel.
 Ele ajuda a atravessar a rua…


Coloca as roupas na máquina de lavar…


Faz a cama e ajuda a pegar algumas coisas na geladeira…


Sabe sacar dinheiro, para que ela só precise digitar a senha…


Ajuda nas compras…


E até paga…


Ajuda a lavar seu pratinho de comida.


E depois ainda ajuda a dona a esticar as pernas no sofá…



Kate Cross agora chama Byron de seu melhor amigo.


A reportagem saiu no jornal inglês "Daily Mail"

A realidade é uma só, o amor dos animais pelos humanos é muito maior do que dos humanos pelos animais.
Ame e cuide dos animais, o PAI ETERNO agradecerá.

CBN (GLOBO), A RÁDIO QUE TOCA NOTÍCIA.



CBN no Android

EUA: sobe para 16 número de mortes provocadas pelo furacão Sandy

Ventos atingiram 150km/h, causando queda de energia. Uma pessoa morreu no Canadá.
Ouça a reportagem

Ordens para matar PMs em SP partiram de Paraisópolis, diz secretário de Segurança

Um criminoso foi preso. Apesar de secretário garantir que não existe toque de recolher no estado, moradores da Zona Leste afirmam que prática é comum.
Ouça a reportagem

Preço da cesta básica sobe 7,65% em setembro e chega a R$ 329,87

Entre agosto e setembro deste ano, os alimentos que apresentaram as maiores altas foram batata e cebola.
Ouça a reportagem

Arnaldo Jabor
Arnaldo Jabor
Obama vai ter que trabalhar muito no furacão para conseguir a reeleição
Ouça o comentário de Arnaldo Jabor


Gilberto Dimenstein
Capital Humano
Reciclagem causa problema na Suécia
Ouça o comentário de Gilberto Dimenstein


Max Gehringer
Mundo Corporativo
'Ninguém explica por que meu perfil não se encaixa nas exigências'
Ouça o comentário de Max Gehringer


Mauro Halfeld
CBN Dinheiro
Debêntures têm futuro no mercado brasileiro
Ouça o comentário de Mauro Halfeld


Juca Kfouri
Momento do esporte
A arte do ex-trio do COL
Ouça o comentário de Juca Kfouri

 


VEM AI O APAGÃO DO COMBUSTÍVEL


 

CONVITE

O Fórum Latino Americano de Defesa do Consumidor - FEDC convida Vossa Senhoria para a Reunião Plenária de Novembro, a ser realizada no dia 08/11/2012, quinta-feira, das 09h30min às 12h, no Auditório do Ministério Público Estadual, na Rua Santana, 440 – 10º andar (Fone: 3295-1901), Porto Alegre - RS, com a discussão e avaliação sobre o seguinte tema:

     “DESABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS: Consequências e Riscos Futuros”  

Contextualizando o tema
As distribuidoras de petróleo, que abastecem os postos do RS, começaram a distribuir avisos nesta segunda-feira (29/10/2012) contendo a seguinte advertência:
- Vem aí novo apagão de combustível.
As distribuidoras pediram que os postos se organizem para receber quotas. De quem é a culpa? A Petrobrás alega que sua refinaria em Canoas, a REFAP, opera no limite da capacidade e não consegue mais atender a demanda por gasolina no Estado do RS.


Debatedores Convidados:
Alcindo Luz Bastos da S. Filho, Gustavo de Azevedo S. Munhos e Rossano Biazus– Promotoria de Defesa do Consumidor – Ministério Público Estadual;
Paulo Miranda Soares – Presidente da FECOMBUSTÍVEIS;
Adão Oliveira – Presidente do SULPETRO;
Alísio Vaz - Presidente do SINDICOM;
Cristiano Aquino – Diretor do PROCON – RS;
Edson Silva – Coordenador Regional da ANP – RS;
José Adolfo Oderich – Gerente Geral da REFAP–RS – A Confirmar 



Moderador: A.A. Santini – Presidente do FEDC


Inscrições Gratuitas - V a g a s l i m i t a d a s

Favor confirmar pelo e-mail: fedc@terra.com.br e/ou pelos fones: (51) 3223-5981/ 3217-4644/9123-5981

terça-feira, 30 de outubro de 2012

AVENIDA BRASIL

                                                    CLIQUE EM CIMA DAS FOTOS

RAIO TRATOR.


Raio trator espacial prestes a se tornar realidade

Redação do Site Inovação Tecnológica - 27/10/2012
Raio trator espacial prestes a se tornar realidade
Apesar de conseguir puxar apenas micropartículas aqui embaixo, no espaço a força do raio trator pode ser suficiente para deslocar objetos de maior massa.[Imagem: Paramount]
Da ficção para a realidade
Um raio trator capaz de desviar um asteroide em rota de colisão com a Terra, capturar lixos espaciais, ou ajustar a órbita de satélites artificiais não é mais um sonho tão distante.
Presente há anos na ficção científica, aos poucos oconceito de um raio capaz de puxar materiais sem contatocomeçou a ser testado nos laboratórios de nanotecnologia, já sendo umarealidade para as nanopartículas.
Embora a ficção tenha várias versões do aparato, para os físicos do mundo real um raio trator é uma onda de luz, visível ou não, capaz de puxar um objeto ao longo do feixe de luz até a sua origem - há também outro conceito, conhecido como raio trator gravitacional.
Agora, o avanço foi significativo o suficiente para chamar a atenção da NASA.
David Ruffner e David Grier, da Universidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, conseguiram pela primeira vez construir um raio trator autêntico, que puxa as partículas sem depender de sua composição.
Os dois pesquisadores usaram um laser especial, que produz um tipo de luz chamada feixe de Bessel, no qual os fótons são disparados em anéis concêntricos.
Tubo de luz
Para criar o raio trator, dois feixes de Bessel são disparados lado a lado.
Mas, em vez de prosseguirem paralelamente, uma lente faz que com eles desviem e se sobreponham, criando um padrão alternado de regiões claras e escuras.
A interação não destrói o "miolo" vazio do feixe, onde fica a partícula a ser tracionada.
Ajustando a temporização dos feixes, os pesquisadores fizeram com que os fótons das regiões brilhantes se espalhem em direção à fonte de luz, empurrando a partícula para a próxima região clara.
Como há uma sequência de regiões claras e escuras, ao sair do raio de ação dos fótons de um anel de luz, a partícula já atingiu o anel de luz seguinte, cujos fótons entram então em ação.
Assim, o feixe de luz funciona como uma correia transportadora, levando continuamente a partícula em direção à fonte.
Raio trator espacial prestes a se tornar realidade
(a) Interseção dos dois lasers; (b) reconstrução volumétrica do feixe resultante; (c) holograma de fase mostrando a correia transportadora de luz; (d) projeção holográfica do feixe que puxa a partícula em direção à sua origem. [Imagem: Ruffner/Grier]
Raio trator prático
Tudo ainda funciona no reino da nanotecnologia - o raio trator é capaz de puxar microesferas de sílica.
Mas há dois avanços essenciais.
O primeiro é que o raio trator a laser não depende de uma segunda fonte de luz do "outro lado", podendo ser emitido de uma fonte única, a partir de um único ponto.
O segundo é que, ao contrário do primeiro nano-raio trator verdadeiro, criado há menos de seis meses, o sistema independe das propriedades físicas da partícula a ser transportada.
Foi isso que chamou a atenção da NASA, que já contatou os pesquisadores para discutir possibilidades de aplicações do raio trator no espaço.
Raio trator no espaço
Apesar de conseguir puxar apenas micropartículas aqui embaixo, no espaço a força do raio trator pode ser suficiente para deslocar objetos de maior massa.
Outra possibilidade de aplicação é a captura de partículas de cometas e asteroides, evitando as complicadas manobras de pousar nesses corpos celestes para coletar amostras.
Os dois pesquisadores passaram à frente de uma equipe formada pela própria NASA há cerca de um ano, para tentar viabilizar a tecnologia dos raios tratores:
Bibliografia:

Optical Conveyors: A Class of Active Tractor Beams
David B. Ruffner, David G. Grier
Physical Review Letters
Vol.: 109, 163903
DOI: 10.1103/PhysRevLett.109.16390
RS

DESMATAMENTO ZERO.


Deixe a sua marca contra o desmatamento, preencha seu título
http://www.greenpeace-comunicacao.org.br/email/cyberativismo/ciber_30-10-2012d.html


O agronegócio que não quer desmatamento
 
Olá,
“Não precisamos de área nova de floresta para aumentar a produção de soja no Brasil. Temos terra boa para fazer isso sem ter que derrubar uma só arvore”. Se você pensa que a frase é nossa, enganou-se. Ela saiu da boca de Carlo Lovatelli, presidente da Abiove, associação que representa a indústria da soja no país.
Na última sexta-feira, Lovatelli reuniu-se com o Greenpeace e o Ministério do Meio Ambiente para anunciar que, por mais um ano, a indústria se compromete em não comprar soja de novas áreas desmatadas na Amazônia. Em outras palavras, já faz seis anos que ela aderiu ao desmatamento zero na sua cadeia de produção.
Dê o seu título de eleitor
Foi nesse fim de semana, também, que tivemos outra boa notícia: chegamos a 600 mil assinaturas em apoio ao projeto de lei popular do desmatamento zero. Milhares de pessoas estão se unindo para dizer que o Brasil não precisa de mais desmatamento para crescer.
Você que já deixou sua marca nessa iniciativa que vai fazer história no país, aproveite para registrar seu título de eleitor, facilitando a validação das assinaturas quando ela chegar ao Congresso. Compartilhe com seus amigos. Para continuarmos trabalhando por um Brasil verde e limpo, precisamos da sua ajuda. Junte-se a nós e colabore com o Greenpeace.
 
Marcio Astrini Um abraço,
Marcio Astrini
Coordenador da Campanha da Amazônia
Greenpeace
Ajude o Greenpeace a proteger o planeta
Recebeu este e-mail de alguém?
» Encaminhe esse e-mail para um(a) amigo(a)
 Junte-se a nós