Páginas

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Que maravilha ! Governar com mentiras é fácil, o difícil é esconder a verdade.

Desemprego tem a primeira alta desde junho de 2011

Taxa subiu 9,5% em janeiro nas sete regiões metropolitanas pesquisadas pelo Dieese. Em dezembro, o índice havia atingido 9,1%. Em janeiro, o número de desempregados ultrapassou os dois milhões.
Ouça a reportagem

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

AMIGOS ASSINEM PARA O BEM DO MUNDO

http://www.greenpeace-comunicacao.org.br/email/cyberativismo/ciber_28-02-2012.html

Filie-se
Um clique para salvar o Ártico
Olá, ciberativista
A Shell quer explorar o petróleo do Ártico, este santuário natural ainda imaculado. O Greenpeace está agindo para protegê-lo e você pode nos ajudar.

Na semana passada, nossos ativistas da Nova Zelândia ocuparam um navio de exploração de petróleo da Shell. Entre eles estava a atriz Lucy Lewless, da série “Xena, a Princesa Guerreira”.

Esta ação atrasou a partida do navio em direção a costa do Alaska, onde iniciará a perfurar os primeiros poços ainda neste ano. Além disso, chamou a atenção do mundo para os planos da Shell para o Ártico.

Um derramamento nessas águas seria desastroso e as duras condições do local fariam com que a resposta a um desastre seja quase impossível.

Por isso os ativistas resistiram bravamente por 77 horas, acampados a 53 metros de altura, até que foram presos e retirados pela polícia.

Essa batalha não termina aqui. Parar a exploração do Ártico depende de você. Junte-se aos mais de 130 mil ciberativistas que assinaram nossa petição em todo o mundo.

Diga à Shell que abandone imediatamente seus planos de explorar o Ártico.
Marcelo Furtado

Obrigada,
Leandra Gonçalves
Coordenadora da Campanha de Oceanos
Greenpeace

Greenpeace online:

Ajude o Greenpeace a proteger as florestas
Junte-se a nós
Recebeu este e-mail de alguém?

» Torne-se um ciberativista também
» Encaminhe esse e-mail para um(a) amigo(a)

Brasileiros dando show em tecnologia, sem ajuda do governo.

Empresa brasileira de biotecnologia está entre mais inovadoras do mundo

Com informações da Agência Fapesp - 27/02/2012
Inovação biotecnológica
Uma empresa localizada em Piracicaba, no interior de São Paulo, está entre as 50 companhias mais inovadoras do mundo de acordo com um ranking da revista norte-americana Fast Company.
Trata-se da Bug Agentes Biológicos, uma empresa de biotecnologia fundada por estudantes de pós-graduação da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo (USP), com apoio do Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE).
A empresa de controle biológico foi apontada pela revista norte-americana como a 33ª mais inovadora mundialmente, na lista encabeçada pelos gigantes de tecnologia Apple, Facebook e Google. A Bug foi considerada pela publicação a mais inovadora do Brasil, à frente da Petrobras e da Embraer.
Fast Company destaca que a Bug produz em massa vespas para combater larvas e percevejos que ameaçam lavouras de cana-de-açúcar e de soja, que representam as duas maiores e mais lucrativas culturas agrícolas do Brasil.
E que, em 2011, começou a aperfeiçoar uma maneira de liberar as vespas que produz em plantações de cana-de-açúcar da mesma forma como os inseticidas são pulverizados sobre lavouras da cultura por meio de aviões.
"O Brasil é o terceiro maior exportador agrícola do mundo (atrás dos Estados Unidos e da União Europeia) e ultrapassou recentemente os Estados Unidos como o maior consumidor de pesticidas. A Bug tem a única alternativa aos inseticidas aprovado pelos ministérios da Agricultura, Meio Ambiente e Saúde", afirmou a revista.
Insetos transgênicos
A empresa desenvolve em grande escala insetos geneticamente programados para atingir e controlar seus inimigos naturais no campo, evitando infestações e danos às plantações.
A empresa se destaca no setor de controle biológico ao produzir parasitoides específicos para controlar ovos de pragas, o que não costuma ser feito pelos insetos produzidos pelas empresas do setor, em sua maioria estrangeiras.
"Geralmente, as outras empresas de controle biológico produzem parasitoides que controlam lagartas, insetos que já nasceram, que atacam a planta e que só então serão controlados. Nós produzimos parasitoides que controlam o ovo da lagarta ou do percevejo, impedindo que eles venham sequer nascer e causar prejuízos", disse Alexandre de Sene Pinto, um dos fundadores e sócio da empresa.
A empresa iniciou suas atividades produzindo microvespas Cotesia flavipes - que parasita lagartas (Diatraea saccharalis) de uma praga conhecida como broca da cana-de-açúcar, que ataca lavouras de cana - e Trichogramma galloi, que são parasitoides dos ovos da mesma praga.
Segundo Sene Pinto, utilizada no Brasil desde a década de 1970 no controle da broca de cana-de-açúcar, em um dos maiores programas de controle biológico do mundo, a Cotesia flavipes não estava funcionando bem em algumas áreas de cultivo da cultura no país nos últimos anos, o que levou à entrada de inseticidas no segmento.
"Isso nunca tinha ocorrido na cultura de cana-de-açúcar que, tradicionalmente, sempre utilizou controle biológico e não dava espaço para os agrotóxicos. Mas, de repente, os inseticidas começaram a ganhar espaço", disse.
Para tentar frear o avanço dos produtos químicos na cultura da cana-de-açúcar, a Bug começou a produzir e a utilizar nas plantações da cultura vespasTrichogramma galloi, que até então não eram utilizadas no cultivo da planta.
Hoje, de acordo com Sene Pinto, a área plantada com cana-de-açúcar controlada com o inseto no Brasil aumentou de forma exponencial, atingindo 500 mil hectares. "É um programa de controle biológico único que caminha para ser um dos maiores do mundo", disse.
Exportações biotecnológicas
Além dos insetos para controle de pragas da cana-de-açúcar, a empresa começou a produzir vespas Telenomus podisi e Trissolcus basalis, que parasitam ovos de percevejos que atacam a soja. O Brasil é o maior produtor mundial de soja, com a área plantada superior à da cana-de-açúcar.
Produzidos em pequenas quantidades desde 1980 pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a Bug começou a criar em maior escala os insetos no país e a disponibilizá-los aos agricultores. "O pouco que produzimos no começo não foi suficiente para atender a demanda dos agricultores", disse Sene Pinto.
Segundo o pesquisador, a tecnologia de liberação dos insetos em campo, desenvolvida pela Bug, tem sido aprimorada com o passar dos anos pelo grupo de pesquisa que coordena na empresa.
O grupo estuda, entre outras questões, os efeitos do microclima e de microambientes na eficiência dos parasitoides, a quantidade de insetos por liberação, seus raios de dispersão, permanência em campo, associação com outros organismos e forma de liberação.
Além do Brasil, a empresa exporta insetos para Europa e Estados Unidos, onde ingressou comercializando ovos esterilizados com luz ultravioleta (UV) de uma traça inerte para multiplicação de Trichogramma.
"Hoje, a Bug conta com alguns investidores, como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por meio do Fundo Criatec, e se transformou de firma limitada em sociedade anônima", disse Sene Pinto.

BBC BRASIL mostra a amizade do cão e a raposa.

Fotógrafo registra amizade entre cão e raposa

Atualizado em  28 de fevereiro, 2012 - 08:24 (Brasília) 11:24 GMT
Anuska e Sadie brincam
As cenas protagonizadas por Anuska e Sadie lembram as do desenho 'O Cão e a Raposa'
Um fotógrafo britânico que resgatou uma raposa órfã após sua mãe ter sido atropelada se surpreendeu ao ver o animal se tornar companheiro inseparável de seu cão da raça Jack Russell Terrier.
A raposa Anuska, atualmente com oito meses de idade, foi encontrada por um fazendeiro no condado de Berdfordshire com outros oito filhotes poucos dias após seu nascimento.
O fotógrafo Brian Bevan, de 61 anos, levou-a então para casa, onde já vivia com sua Jack Russell Sadie, de dez anos.
Logo Anuska passou a seguir os passos de Sadie. A proximidade à cadela levou a raposa, animal que não é particularmente conhecido por sua proximidade com os humanos, a aprender truques e hábitos do "melhor amigo do homem".
"Anuska e Sadie se deram bem e começaram a brincar sem problemas a partir do instante em que se encontraram. Não houve nenhuma hostilidade", diz ela.

Incansável

Anuska e Sadie disputam uma bola
Segundo o dono, Anuska gosta de passear e de brincar de pegar bola com Sadie
A amizade dos dois animais se tornou uma oportunidade única para Bevan fotografá-los em cenas que lembram as do desenho animado da Disney O Cão e a Raposa, de 1981, que conta a história da amizade de dois filhotes.
Bevan, que começou a fotografar cenas da vida selvagem há cinco décadas, diz que os dois animais gostam de passear e de brincar juntos e competem para ver quem pega primeiro a bola atirada por ele.
"Não é nenhuma surpresa ver um cão saltando, mas ver uma raposa fazer o mesmo é outra coisa. Anuska adora brincar de pegar a bola, pode fazer isso o dia todo sem cansar", diz.
"O talento pouco usual dela certamente me deu várias oportunidades boas para foto nos últimos meses. É absolutamente fascinante de se ver", diz ele.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Pelo menos o Deputado Arnaldo Faria de Sá nos respondeu sobre as exigências da FIFA.

Acusamos o recebimento de sua mensagem, a qual nos encaminha sua manifestação, merecedora de nossa acolhida, quando da discussão nesta Casa da Lei Geral da Copa a qual, transcrevemos abaixo matéria publicada na data de hoje no site desta Casa.
Salientamos a certeza de nossa atenção e atuação parlamentar voltada para os interesses da Nação e, como temos desempenhado ao longo dos anos, continuaremos nosso trabalho independente e transparente, colocando em prática o desejo daqueles que nos confiaram seu voto, em especial com nosso trabalho desenvolvido em prol do bem estar do IDOSO e que temos, desde nossa investidura no cargo público, defendido com garra, perseverança e disposição.
Ao ensejo reafirmamos nosso trabalho aqui no Congresso Nacional, lembrando, também, que todos os sábados atendemos em nosso escritório em São Paulo, na Avenida Engenheiro George Corbisier, n.º 1.127, Bairro Jabaquara, Telefone 11.5011.8285, onde prestamos esclarecimentos e orientaçãoes previdenciárias, bem como ainda, dos direitos do cidadão, em especial o idoso.



Arnaldo Faria de Sá
Deputado

Comissão especial discute e vota projeto da Lei Geral da Copa

Arquivo/ Beto Oliveira

Renan Filho: projeto deve ser votado neste mês na comissão.
comissão especial criada para analisar o projeto de Lei Geral da Copa (PL 2330/11) se reúne nesta terça-feira (28) para discutir e votar o parecer do relator, deputado Vicente Candido (PT-SP). A reunião será realizada às 14h30, no Plenário 1.
Com a liberação da venda de bebidas nos estádios somente durante a Copa, o presidente da comissão, deputado Renan Filho (PMDB-AL), espera conter a oposição de parlamentares ligados às áreas de saúde e de segurança pública.
"Neste momento, é melhor tratarmos da questão da Copa especificamente. Já conseguimos construir um certo consenso na comissão sobre liberar a venda de cerveja na Copa. Quanto aos jogos de outros campeonatos, alterando o Estatuto do Torcedor, não conseguimos fazer a discussão necessária. Isso precisa ser mais bem discutido, com estudos mais profundos e um debate mais amplo", explicou Renan Filho.
O Estatuto do Torcedor, atualmente em vigor, proíbe a venda em todos os estádios brasileiros de bebidas que possam estimular atos de violência.
Danos
Quanto à responsabilidade civil da União por danos ocorridos durante a Copa, Renan Filho disse que o relatório da Câmara vai manter o texto original do Executivo. A presidente Dilma Rousseff já deixou claro, por exemplo, que o governo não admite ser responsabilizado por catástrofes naturais nem por atos terroristas.
"A Fifa gostaria de ver explicitadas as responsabilidades civis, mas o governo federal entende que o texto original do Executivo já contempla o que a Fifa quer. O relator se comprometeu a incluir no relatório esse texto original, que pode, sim, ser aperfeiçoado até a aprovação final da Lei Geral da Copa. Até lá, a Fifa discutirá com o governo para eles poderem chegar a um entendimento", acrescentou Renan Filho.
O projeto de Lei Geral da Copa tramita em regime de prioridade. Depois da comissão especial, a proposta seguirá para o Plenário e depois para o Senado.
 DEPUTADO FEDERAL SÃO PAULO

CELULAR PERDIDO OU ROUBADO, DICAS.

Seu celular foi roubado? Veja o que pode ser feito para bloqueá-lo e diminuir o prejuízo

Ana Ikeda
Do UOL, em São Paulo
Comentários18
  • Celular perdido, furtado ou roubado pode ser bloqueado -- tanto a linha quanto o aparelho
    Celular perdido, furtado ou roubado pode ser bloqueado -- tanto a linha quanto o aparelho
O Brasil alcançou em 2011 um número recorde de linhas celulares habilitadas no país, que são agora mais de 242 milhões. Com tantos aparelhos sendo usados, é cada vez mais comum ouvir histórias de pessoas que tiveram celulares roubados e perdidos. Mas você sabe o que deve fazer quando isso acontece? O UOL Tecnologia traz a seguir algumas dicas para quem, infelizmente, passou ou passará por essas situações.

Bloqueio do aparelho

Desde 2000 existe um cadastro único que registra aparelhos que foram roubados, com o objetivo de impedir que sejam habilitados com novas linhas. O Cemi (Cadastro de Estações Móveis Impedidas), no último dia de dezembro de 2011, tinha cerca de 1,9 milhão de aparelhos bloqueados – número bem baixo se considerarmos os 242 milhões de linhas celulares no país.

O que fazer quando você perde seu celular?

Ligue para a central de atendimento da operadora e solicite o bloqueio da linha
Encontre o IMEI (nº de identificação do aparelho) na nota fiscal do aparelho
Faça um Boletim de Ocorrência ou assine um Termo de Responsabilidade na loja da operadora para bloquear o aparelho com IMEI
Se usa um smartphone com aplicativo de rastreamento, peça ajuda da polícia para tentar recuperá-lo
Se pagou caro no aparelho (e costuma perdê-lo), faça um seguro para o smartphone
Assim como você tem um R.G, seu aparelho celular tem um número único de identidade no mundo, chamado deIMEI (International Mobile Equipment Identity). É com esse número que é possível bloquear seu aparelho: o problema é que ele está, geralmente, atrás da bateria do celular(impossível de ver depois de ser roubado) ou na nota fiscal (que você guardou em alguma gaveta e nem sabe mais onde está).
Então, se você está lendo esse trecho do texto, pare tudo e corra atrás do seu IMEI. Deixe anotado em um local de fácil acesso (dica: envie um email para si mesmo com o seu IMEI).
Anotou direitinho?
Desde abril de 2010, para cadastro no Cemi não é mais preciso apresentar o Boletim de Ocorrência à sua operadora. No primeiro contato, a empresa faz um bloqueio temporário. Para torná-lo permanente, você deve comparecer a uma loja da operadora e assinar um termo de responsabilidade em até 48h do comunicado da perda, furto ou roubo ou, se preferir, encaminhar o B.O à empresa (no Estado de São Paulo, ele pode ser feito pela internetem caso de furto ou perda).

Bloqueio da linha

Antes de bloquear o aparelho, a primeira atitude a ser tomada é bloquear a sua linha de celular – isso impede, no caso de donos de linhas pré-pagas, que o ladrão gaste todos os seus créditos. No caso de linhas pós-pagas, a conta mensal ainda será enviada para você, mas pelo menos quem ficou com seu celular não gastará a franquia do seu plano.
Cada operadora tem um procedimento próprio para o bloqueio da linha, mas em geral ele pode ser feito por telefone pelo serviço de atendimento ao consumidor (não se esqueça de anotar sempre o protocolo de atendimento). Veja abaixo cada caso específico:
Em caso de roubo, furto ou perda do aparelho celular, o cliente deve entrar em contato imediatamente com o Serviço de Atendimento ao Cliente da Claro, pelo número 1052, de qualquer telefone e solicitar o bloqueio da linha ou, ainda, realizar a suspensão da linha pelo site da Claro, na seção Minha Claro. O bloqueio também pode ser feito nas lojas.
Para clientes Claro Conta, a Claro permite que o cliente adquira novo aparelho no valor referente ao plano contratado caso já tenha cumprido, no mínimo, seis meses da carência vigente. Neste caso, o cliente deve entrar em contato com o Serviço de Atendimento da operadora e, posteriormente, apresentar o boletim de ocorrência na loja. Ele também deve estar adimplente e não ter participado da Política de Perda e Roubo nos últimos 12 meses.
No entanto, é preciso ficar atento ao prazo para reativação da linha bloqueada – afinal, pode se tratar de um número que você tem há muito tempo – que varia de 60 a 150 dias dependendo da operadora.
Esse era o caso da assessora Karolina Dirani, 32, que teve o celular furtado, mas perdeu a linha por um erro de informação da atendente da operadora. “Ela disse que eu tinha até seis meses para desbloquear a linha, porém o correto era ter dito três. Perdi uma linha que tinha há dez anos por isso”, relembra.
Uma amiga ligou para o número antigo e avisou Karolina que um homem havia atendido a ligação. “Quatro meses depois, percebi o erro. Procurei um advogado, mas ele disse que sem o número do protocolo de atendimento seria difícil provar o erro da atendente.”

Rastreamento

Para quem usa smartphones, alguns aplicativos realizam o rastreamento dos aparelhos. Se você foi roubado, é totalmente desaconselhável sair sozinho em busca do celular – procure ajuda da polícia.
  • Arquivo pessoal
    Publicitário Vitor Rosalem combinou o uso do aplicativo Find My iPhone ao Google Street View para reaver celular esquecido em táxi
Em um caso recente (e cada vez mais comum), a Polícia Civil de São Paulo prendeu três suspeitos que haviam roubado, além de um iPhone, laptops das vítimas. O celular da Apple levado pelos ladrões pôde ser rastreado pelo Find My iPhone. O delegado do caso, Noel Rodrigues de Oliveira Júnior, afirmou que já era a terceira vez que prendia assaltantes usando o aplicativo de rastreamento.
Já o publicitário Vitor Rosalem, 27, havia apenas esquecido seu iPhone em um táxi, pego à esmo na rua, indo para o trabalho.
Além de usar o aplicativo Find My iPhone, Rosalem teve de contar com sua própria astúcia para recuperar o aparelho: percebeu que o taxista parava sempre na mesma rua, presumiu que ali seria o ponto do táxi e, vendo imagens no Google Street View, descobriu o telefone de lá.
“Liguei para ele, que ficou espantado por eu ter descoberto o contato. Ele também ficou surpreso quando eu disse que sabia que o iPhone estava numa rua no bairro de Santana, onde ele mora”, conta.

Veja alguns aplicativos que ajudam a rastrear dispositivos móveis:

Aplicativos ajudam a rastrear dispositivos móveis perdidos; conheça esses programas

Foto 1 de 14 - Buscar meu iPhone ou Find my iPhone
Antes pago, o aplicativo Buscar meu iPhone (ou Find my iPhone) localiza vários gadgets da Apple (o próprio iPhone, o iPad, o iPod touch e computadores com o sistema operacional Mac). Após instalá-lo, basta o usuário configurar sua Apple ID (login que usa para sincronizar arquivos no programa iTunes) e associar os dispositivos que quer monitorar. Com ele, é possível ver em um mapa o local onde o gadget está, reproduzir um alarme, bloquear o dispositivo ou até apagar todos os dados pessoais remotamente Divulgação

Seguro

Uma alternativa pouco conhecida, válida principalmente para quem possui um smartphone caro e se expõe muito aos riscos (como andar na rua e passar frequentemente por locais onde há assaltos), é fazer um seguro.
Em um deles, assim como ocorre em uma cobertura para veículos, o valor de mercado do aparelho móvel e o tempo de depreciação (idade) são avaliados para calcular o preço da apólice. “Em média, é cobrado cerca de 15% do preço do aparelho”, explica Miguel de Souza Valério, corretor da Porto Seguro. No caso específico da seguradora, não é cobrada franquia em caso de sinistro.
A cobertura, no entanto, só é válida para casos de roubo (ação praticada com violência contra uma pessoa ou sob grave ameaça) e furto qualificado (quando há destruição ou rompimento de obstáculo, como por exemplo arrombamento de uma casa, para subtração do bem). É preciso também apresentar o Boletim de Ocorrência à seguradora para que a empresa avalie o caso e conceda o valor de cobertura da apólice para a compra de um novo aparelho.
Outra modalidade de seguro, oferecido pelas operadoras no ato da compra do smartphone e fornecido por seguradoras terceirizadas. É cobrado um valor mensal (de cerca de R$ 20).
Foi por essa proteção que optou Marília Rangel, 28, coordenadora de mercados, quando teve seu iPhone 3GS furtado em 2009 dentro de uma loja de um shopping na zona oeste de São Paulo. “Não fazia nem um ano que eu tinha comprado o celular. Cheguei a voltar à loja, que estava vazia quando tudo aconteceu, mas a vendedora disse que não tinha visto nada”, lembra. Ela saiu de lá direto para a loja da operadora para fazer o bloqueio da linha e, posteriormente, fez o do aparelho. “Comprei outro iPhone 3GS e fiz o seguro por R$ 16 por mês, para não ter outro prejuízo”, explica.

Contrato de seguro para celular exige atenção; veja dicas

GUILHERME TAGIAROLI || Do UOL Tecnologia
Getty Images
Cada seguradora tem regras próprias; algumas, por exemplo, não cobrem roubo do aparelho dentro do veículo
Ao adquirir um telefone em uma loja, os vendedores geralmente oferecem aos compradores um plano de seguro para o telefone. Sobretudo quando são smartphones, pois têm preços mais elevados. Porém, a contratação desse tipo de serviço contra roubo exige atenção do consumidor, pois muitas vezes quem contrata o serviço não percebe ao certo o que o seguro cobre e o que ele não cobre. O UOL Tecnologia  consultou especialistas para ajudar a esclarecer alguns pontos importantes antes de contratar um seguro para celular. Confira:
Valores
No que diz respeito ao preço de seguro, em média, o segurado paga uma taxa anual que varia entre 10% e 15% do valor do aparelho para a empresa. Pegando como exemplo o caso de um aparelho de R$ 1.000 e com a porcentagem da seguradora a 15%, a taxa anual do seguro vai ser de R$ 150. Esse valor pode ser pago em até 12 vezes.
Outro ponto que deve ser considerado pelo consumidor que quiser contratar esse tipo de serviço é a franquia. Quando ocorre algum problema (ou sinistro, na linguagem dos seguros) com o telefone, o consumidor deve pagar uma taxa de 10% a 20% com base no preço do produto para receber um novo.
O que os seguros não cobrem
“O consumidor precisa conhecer o conteúdo do contrato do seguro e identificar quais são os eventos cobertos”, afirmou Mariana Alves do Idec (Instituto de Defesa do Consumidor). De acordo com a advogada, um dos pontos que geram mais confusão entre os consumidores é que as empresas de seguro não cobrem furtos simples.
Em linhas gerais, o furto simples ocorre quando a subtração do aparelho é feita sem o rompimento de obstáculos. Por exemplo, um usuário deixa seu iPhone em cima do balcão de uma loja e, sem ele notar, alguém o leva. Esta infração é considerada um furto simples, pois não teve uso de uso de violência ou rompimento de obstáculos.
“As operadoras não costumam cobrir o furto simples, pois entendem que as situações desse tipo são geradas por um ‘descuido’ do cliente”, afirmou Aline Sartorelli, que é analista de seguros da corretora Harmonia.
O que os seguros cobrem

Dicas - Seguro celular

Eu preciso? – veja se o preço do aparelho justifica o valor que será pago ao seguro.
O que estou contratando? - ao contratar o serviço, é importante o usuário saber o que o seguro cobre e o que não cobre.
Fique atento ao contrato - Porto Seguro e Mapfre, por exemplo, cobrem furto qualificado. Porém, no caso do furto de celular dentro de um carro parado, as empresas não cobrem. Preste atenção nas particularidades das seguradoras.
Veja se o celular pode ser segurado - Há planos de seguro, como o Seguro Fácil Celular, que aceitam aparelhos com até 45 dias de uso. Já outros permitem celulares com até três anos de uso (anos de uso são baseados na data da nota fiscal).
Taxas de franquia praticadas - é importante que o usuário saiba que, por mais que haja um problema com o aparelho, ele terá que pagar uma taxa de franquia. Os valores variam conforme as empresas de seguro.
Em contrapartida, a maioria das empresas que presta serviço de seguro cobre roubos e furtos qualificados. Esse tipo de delito ocorre quando há alguma obstrução de barreira ou ameaça por parte de alguém. Por exemplo: o usuário deixa o celular dentro da mochila. Porém, alguém sem ele perceber rasga a mochila e o tira de lá. Nessa situação, as empresas pagam o cliente, pois houve um tipo de obstrução.
Além do roubo
Ainda que boa parte das seguradoras ofereça seguro contra roubo, algumas empresas, como a Porto Seguro, oferecem proteção contra danos externos ao aparelho. Logo, se o telefone da pessoa cair no chão e ocorrer dano, o usuário será ressarcido. Há ainda outras seguradoras, como a Mapfre, que têm uma espécie de proteção caso o contratante fique desempregado.
Fazer ou não fazer?
Antes de contratar o seguro, o proprietário do aparelho deve considerar alguns fatores para verificar se vale a pena para ele ou não:
- Será que o preço do aparelho justifica o valor do seguro?  Ao fazer um seguro de um celular com preço de até R$ 250 na Vivo, o usuário paga uma mensalidade de R$ 6,50. Quem tem telefone com valor compreendido entre R$ 1.001 e R$ 2.000, paga, em média, R$ 18,49.
- Cliente pós-pagos têm vantagens em adquirir novos aparelhos, por fazerem parte de programas de bonificação. Dependendo da quantidade de “bônus”, o usuário pode conseguir um aparelho semelhante a um preço baixo.
- Caso o usuário exponha muito o celular em lugares públicos, o seguro pode ser uma boa alternativa de prevenção.